segunda-feira, 11 de maio de 2015

ESTUDOS - MUIRAQUITÃ

Uma das versões da lenda conta que na festa da lua, as Icamiabas, mulheres guerreiras, mergulhavam no lago Jaci Uaruá (espelho da lua) e recebiam da divindade um barro retirado do leito do lago. Elas o moldavam ainda em baixo da água e quando chegavam na superfície imediatamente endurecia, formando um amuleto, geralmente em cor verde. Eram oferecidos aos Guacaris (homens de outra aldeia) com os quais passavam dias namorando.

O artefato era confeccionado em jade, geralmente tinha o formato de sapinhos e, segundo a crença, tinham poderes mágicos, trazendo sorte ao seu portador.

Foram encontrados pelos europeus pela primeira vez nos séculos XVII e XVIII, próximo aos rios Nhamundá e Tapajós. Alguns exemplares podem ser vistos em museus por todo o mundo e outros estão nas mãos de colecionadores.

Ainda nos dias atuais o muiraquitã é considerado objeto sagrado, permanecendo a crença que este traz felicidade, sorte e tem poder de cura.
Publicado na Fanpage Estudos Etno-culturais de Mell Borba.
Postagem feita aqui.