quarta-feira, 25 de junho de 2014

"E A DANÇA? COMO VAI?"

Nem só de informação e história vive este blog (e este ser que vos escreve).

Ontem, conversando com uma amiga querida, que a corrida trouxe pra vida toda, refleti muito.

Ela, em paralelo a mim e minha descoberta na dança, descobriu seu amor pelo teatro, e eu tenho ficado maravilhada com suas postagens, com as fotos que eu vejo, com as amizades que ela vem fazendo, e com a alegria que eu vejo ela emanando.

Marcamos de nos ver, depois de tanto tempo, e ela me perguntou: 
"E A DANÇA? COMO VAI?"

Minha sinceridade latente, não me deixou mentir: 
"Estou muito feliz com o blog, pesquisando muito, aprendendo muito, conhecendo muita gente. Estou feliz com as minhas aulas, com a montagem da coreografia muito show para o final do ano, os ensaios, mas sinto um vazio... Eu danço em casa, sozinha, deixo a música tocar... mas... " 

Creio que foram estas as palavras. 
Já tinha ensaiado escrever sobre isto tempos atrás, mas não parei para fazê-lo. Estou sempre tentando escolher as melhores palavras para que este texto não soe errado ou ofensivo, ao contrário, ele é um desabafo de um coração a procura de alento.

- "Sinto falta de algo que toque minha essência."

Me lembrei de quando comecei a dançar, minha primeira prof. de dança do ventre dizia: " Favor vir à aula de saia, top e maquiagem. Maquiagem pode ser leve. Mas pelo menos um rímel e batonzinho. Você tem que estar bem com você mesma."

Acho que fui esquecendo destes detalhes. A vida, os compromissos foram me atropelando, e eu fui atropelando minha essência e a minha dança... e sinceramente, eu não sei onde ela está...

É tanta leitura em relação a dança ultimamente, esta história linda do surgimento do Tribal. 
Eu amo tanto fazer esta busca do passado, fazer estas pesquisas, para termos ferramentas e embasamento para escrever um presente com bases sólidas e não com achismos ou modismos, mas creio que tenho me distanciado do dançar em si. São tantos exemplos grandiosos, de vida, de história, que me deixam paralisada... E cheia de questionamentos...



Este texto é uma reflexão em palavras. 


Faço isto muitíssimas vez, e raríssimas publico, mas achei válido, pode ser que alguém esteja passando por alguma fase assim...e como eu digo "eu sei que estas fases ruins passam, mas é uma droga estar no meio delas".

E se você tiver uma dica, será muito bem vinda!

Sigamos: lendo, e dançando. Beijos.

Visite e curta: Nossa Tribo & Nossa Dança