terça-feira, 26 de agosto de 2014

ENTREVISTA - MISH MISH por Kamala

A Idade de Ouro de Tinseltown, por Kamala | postada 02 de janeiro de 2010
Esta é a minha segunda entrevista com uma dançarina, em meados da década de 70, na cena Árabe em Hollywood. Vi pela primeira vez Mish Mish no palco em um dos primeiros shows MECDA, e ficou impressionada com seu estilo profissional e autêntico. Eu era um "newbee" (novata), e percebi que tinha um longo caminho a percorrer para atingir o seu nível de proficiência. Havia tanta oportunidade para dançarinas do ventre naquela época, e eu estava fazendo o circuito Armênio dos clubes Noturnos. A versão local do Santo Graal eram as grandes discotecas árabes em Hollywood. Mish Mish era uma das dançarinas estabelecidas. Eu a conheci no set de um filme, e ela e Jacqueline Lombard me convenceram a tentar a minha sorte em "Tinseltown", que definiu minha dança em um curso totalmente novo. Como muitos dos dançarinos deste período fizeram, Mish Mish dividia sua carreira de dança entre a Califórnia, Denver, Salt Lake City, e Londres. Estou estou focando nas bailarinas que eram muito populares com o público árabe. Eu acredito que eles merecem o nosso reconhecimento, porque eram os melhores bailarinas de sua época, mas não ensinavam ou escreviam artigos sobre si mesmas, portanto sua história estava em perigo de se perder. Não tenho conhecimento de vídeos, e muito poucas fotos, então eu estou esperando que essas entrevistas dêem ao leitor uma imagem mental daquela época na História da Dança do Ventre nos EUA.

Kamala: quando você começou a dança do ventre, e que foi sua professora (professoras)? 

Mish Mish: A primeira vez que vi uma trupe de dança do ventre foi em 1971 na Northern California Renaissance Pleasure Faire. Por ter uma estatura baixa, eu fiz o meu caminho até a frente do palco, no momento exato em que uma dançarina fez um giro incrível com uma espada sobre a cabeça e ao girar, empunhou a espada e terminou com um cambret, ao mesmo tempo que cravou a espada no palco, ao som da última batida da música, bem na frente de onde eu estava! Mais tarde eu descobri o nome da dançarina era Rhea, que na época estava na trupe "Bal Anat". Decidi ali mesmo, eu queria aprender esta forma de arte incrível. Comecei a estudar com Jamila Salimpour na primavera seguinte, em 1972. 

Eu aprendi muito rápido e me tornei a dançarina principal da Renaissance Faire, no final daquele ano. Aquele ano foi muito divertido! Além de dançar na Renaissance Faire, eu comecei a dançar no Casbah na Broadway, em Sao Francisco. 


Foram Fadil Shahin, dono da Casbah, e Jamila, que inventaram o nome Mish Mish, que significa, pequeno damasco doce e suculento. Hah! Ou, como já foi dito, era como diz o ditado americano "como tomate quente". Frutas, legumes ... que seja!!! Eu gostei, se encaixa, e é fica na mente. Eu gostaria de dizer que eu sou a original e não devo ser comparada com a outra dançarina em Seattle. Depois que me casei eu adicionei o sobrenome El-Atrash, para distinguir entre as duas. Eu sinto os bailarinos devem escolher seus nomes com mais cuidado e verificar se ele não está sendo usado por outro.

Eu dou crédito e graças a Jamila Salimpour pelo meu treinamento formal na arte da Dança do Ventre, eu também estudei um pouco com Samia Nasser. Estudei diversas danças: Tap, Ballet, Flamenco, havaiano, Tahitian, polinésia, e eu amava especialmente dos Balcãs e Folclore Internacional. Alguns dos grupos que eu trabalhei e e me apresentei são: Bal Anat, Pitu Guli ou mais tarde chamado Babaganoush, Avaz com Tony Shay como diretor, e ajudou a formar o cigano Moor Dancers, que mais tarde seria conhecido como Hahbi Ru.
Kamala: O que você lembra sobre a cena noturna de Los Angeles árabe a partir do final dos anos 70 ao início dos anos 80? Quais os clubes que você trabalhou em? 

Mish Mish: Trabalhei em tantos clubes em LA! Eu fique lá por seis anos. 
Clubes árabe: A Fez, Ali Baba, Khyam, Abu Nawas  |Persa: Dalila, Caberet Teerã, Colbeh, Sahara |Grego: Vila grega, Atenas Jardins

Lembro-me de ter os melhores dias da minha vida! Eu nunca fui de acordar cedo, então dormir tarde para mim era maravilhoso. Era como se eu estivesse sendo paga para fazer festa. Infelizmente, muitos de nós poderíamos facilmente ter nos tornado alcoólatras, com os clientes continuamente enviando-nos bebidas. Esta foi a pior parte em relação aos clubes, além das constantes investidas dos clientes, proprietários do clube, e músicos. Era difícil tentar manter formal e profissional, e conseguir não misturar negócios com divertimento. 


Ao contrário de São Francisco, os proprietários do clube eram bastante flexíveis com deixar-nos trabalhar em mais de um clube. Isso tornou fácil ter uma agenda cheia. O que eu mais amava sobre como trabalhar em LA, era que a maioria dos bailarinas se mantinham unidas e apoiavam-se mutuamente. Nós não permitiríamos que os proprietários do clube tirasse proveito, ou colocasse umas contra os outras. Nós até entrarmos em greve e tentamos formar nosso próprio sindicato e para termos contratos com melhores condições de trabalho. Essa organização original é M.E.C.D.A. (Middle Eastern Cabaret Dancers Association).
Kamala: Você se lembra de algum dos músicos e quais músicas tocavam naquela época?
Mish Mish: Claro que me lembro muitos dos músicos, mas apenas algumas peças de música: Maroun Saba, Maurice, Jamil, Adel Sirhan, Suhail Nasser, Saadoun Al Bayati, Najib Khoury, George Hyatt, Kasim, Ali Darwish, Suhail Kaspar, Hanni Nasser, Aziz Khadra, Tony Ayad, Henri, Manoush Shadeghi, John Belizikjian, Bashir, Raja, Semon Shabkie, Abdel Khalik, Ussri Esmaiele, Adel Moursi, Moustapha Sax, Reda Darwish, Ghazi Darwish, Abdulla Kdouh, Jihad Racy, Mohamid Murray. 


Algumas das peças musicais tocados para mim foram: é claro que eu muitas vezes Hamawy Ya Mish Mish (ouça aqui), mas também Nebtidi Menien El Hikaya (ouça aqui), Fatet Ganbena (ouça aqui), Ala HASB Weddad (ouça aqui), Sawah (ouça aqui), Sallam Allay (ouça aqui), Zaina (ouça aqui), Inta Omry (ouça aqui), Toubie , Tamra Henna (ouça aqui), Arousa , Leyl Ya Layali, Mashael , Sahara City.

Kamala: Você se lembra de quando a cena mudou em cerca de 1977 ou 78 com a chegada da música egípcia e dançarinos para Omar Khayam


Mish Mish: O que foi tão incrível quando os músicos egípcios chegaram, é o fato de que eles realmente tocavam peças musicais inteiras. Foi quando tudo mudou nos shows. Eu acredito que foi também o momento em que a maior parte do estilo de improvisação de dança também mudou. Algumas de nós tivemos tempo de ensaio com os músicos e somos capazes de coreografar nossos shows. Tornou-se mais profissional. 


Houve uma dançarina egípcia que trabalhava na Koko antes da chegada de Nahed Sabri. O nome dela era Sahar. Eu nunca vou esquecer, estávamos todos horrorizados com suas combinações de cores nos figurinos! Esta foi a primeira vez que que se viu laranja e verde misturados. Ela era tão bonita e diferente, e na verdade foi a primeira vez que vi uma dançarina com um show ensaiado e bem feito, assim os shows eram realizados na Europa. Isso foi tão completamente novo e estranho para todas nós. Sempre tivemos cinco partes para a dança:  aparecíamos de véu, fazíamos nossa entrada, primeiro taxim era onde retiramos nossos véus, em seguida, com música rápida novamente, era feito a dança chão, em seguida, música rápida novamente e Solo de Derbake e final. Aqueles eram espetáculos longos! O estilo egípcio era geralmente em três partes. Uma pequena entrada com véu e quase imediatamente descartado, taxim, solo de derbake e final. Às vezes, ela usava algum adereço. Essa foi a primeira vez que vi o candelabro equilibrado sobre a cabeça de alguém. 

Houve também outra dançarina antes de Nahed, que fazia uma dança estilo europeu, mais tarde apelidado de estilo egípcio. O nome dela era Suzie Ashar. Ela comprou e abriu um clube em Hollywood Boulevard perto Grauman’s Chinese Theater e chamou de Sahara. Ela era uma dançarina maravilhosa e eu me lembro agora que ela se assemelhava a Mona Said, em aparência e estatura. Seu truque era equilibrar algo como seis bastões. Um na cabeça, um no peito, um ou dois no quadril e uma em cada mão. Eu tive a oportunidade de trabalhar lá por um tempo também.

Com a chegada de Nahed, tudo pegou fogo! Ela mal falava Inglês, por isso era sempre necessário um intérprete. Felizmente, por minha causa, e de meu marido Faisal, e eu fui capaz de conhecê-la melhor, e obter alguma crítica construtiva quando ela vinha até nossa casa para visitas. Lembro-me de uma festa muito divertida que Shirin fez em sua casa pra recebê-la em nossa comunidade de dançarinos. Todo mundo estava lá (a maioria dos dançarinos que trabalhavam em LA) e tivemos um show particular. 


Seus shows eram quentes e ela também! Sendo assim muito temperamental, muitas vezes que ela não estava feliz com alguma coisa no show: a música que não era do seu gosto, ou alguém dizendo ou fazendo algo na platéia que não demonstrava respeito, como falar durante seu show. Ela, às vezes, começa a xingar em árabe e saia do palco, terminando assim o seu show. Ela era tão mimado pelos músicos e donos de boates, seus caprichos sempre eram feitos. A maioria dos músicos, na realidade, morria de medo dela. Mas todos eles me disseram que ela era a sua bailarina favorita, entre todas que haviam trabalhado.

Lembro-me de uma noite enquanto assistia a um de seus shows, ela estava dançando com um enorme candelabro, um dos maiores que eu já vi. Os clientes foram enchendo-a de dinheiro, e ela literalmente queimava as notas menores nas velas. Como se dissesse que ela valia mais do que isso, então as pessoas começaram a dar notas maiores! 

Seu estilo de dançar era diferente de qualquer das outras dançarinas egípcias, que mais tarde tive a sorte de ver. Seu fraseado, tempo e a interpretação musical eram incríveis. 

Eu estava trabalhando uma noite no Khyams e ainda fazendo meu velho estilo de dança. Eu saí para a minha entrada coberta com um véu e, logo no início do meu show, ela subiu no palco e começou a descascar o véu de cima de mim e jogou-o no chão. Ela balançou o dedo para mim e disse em Inglês quebrado "Ei, isso não é egípcio!" Eu fiquei tão envergonhada e humilhada que eu mal conseguia terminar. Pense em "sobre ser intimidado"! 

Kamala: Quais eram as condições de trabalho naquela época? Você pode dar uma descrição de uma típica noite em uma das casas noturnas? 

Mish Mish: As condições de trabalho variavam em diferentes clubes. A Fez, Ali Baba, e Abu Nawas (que viria a ser Grapevine e depois de Koko) tinham camarins com um tamanho decente, não como o Khyams que era do tamanho de um armário e não tinha um fechadura por muito tempo. 

Havia geralmente duas dançarinas por noite e shows com cerca de meia hora de duração. Havia sempre amigos na platéia ou clientes regulares que muitos de nós se sentiam confortáveis em sentarmos na mesma mesa. A maioria dos gerentes mantinha os olhos em suas bailarinas, para se certificar de que ninguém saia da linha. 

Muitas vezes no Khyam, haviam brigas. Alguém chamaria a mãe de alguém de alguma coisa, ou algo assim, e eu me lembro várias vezes mesas e cadeiras sendo arremessado do outro lado da sala com as pessoas espalhando para sair do caminho e correndo para fora do clube. 

Uma dessas noite, outra dançarina e eu corremos para nos esconder na cozinha para sair do caminho, mas, em seguida, saímos correndo de lá, pensando que alguém poderia entrar e pegar facas, de modo que não era um bom lugar para se estar. Nós sempre precisávamos estar em alerta máximo trabalhando lá. 



** Kamala comenta: brigas eram uma ocorrência comum em Omar Khyam! Lembro-me de uma dançarina maravilhosa: Yasmin e eu, esquivando-se no canto do camarim, temendo balas pode começassem a voar! Quando as coisas acalmaram, o proprietário (Majid) bateu na porta para nos dizer que precisava de um dançarino no palco! Nós olhamos para fora da porta para ver mesas viradas, garrafas quebradas e corpos machucados espalhados. Que maravilhoso cenário para fazer uma entrada! **


Lembro-me de um incidente que aconteceu comigo uma noite no Khyam. Havia um jovem príncipe da Arábia Saudita, que costumava frequentar os clubes quando ele estava na cidade e era um bom amigo de meu marido Faisal. Ele me convidou para a sua mesa para tomar uma bebida antes do meu show. Percebi que era hora de eu me preparar para o meu show e me desculpei. Bem, ele tinha um novo guarda-costas e devia ser sua primeira vez no país, e ele não sabia a etiqueta daqui. Eu estava andando pela sala, de repente, senti um aperto no meu braço com este grande bruto tentando me arrastar de volta para a mesa onde eu tinha acabado de sair. Ele estava me xingando em árabe e dizendo como ousava deixar a mesa sem a permissão do Príncipe. Comecei a gritar e gritar com esse cara para tirar as mãos de cima de mim: Como se atreve, e as coisas são diferentes neste país e se quer ficar, é melhor aprender as regras daqui". Finalmente Majid (o proprietário) veio, e até ele tinha dificuldade em puxar a mão do cara de cima de mim. Era tão humilhante um grande constrangimento. Mas, o show tem que continuar. Depois de tudo que ele havia feito, veio fazer um pedido de desculpas. Eu não aceitei e disse para ele ficar só longe de mim.

O restante da entrevista, você pode ler em inglês aqui: 



 

** Tradução livre por Carine Würch **
Visite e curta: Nossa Tribo & Nossa Dança