sábado, 26 de julho de 2014

ENTREVISTAS - THE LADY FRED/ FRÈDERIQUE

Frèderique – The Lady Fred
Entrevista por Rebeca Piñeiro Tradução de Gabriela Miranda | Entrevista feita para Revista Shimmie Ampliando Conceitos
Nascida em Beirute (Libano) e residente na Califórnia (EUA), Fréderique (Lady Fred) é uma bailarina internacional de dança do ventre “avant-garde teatral”. É artista, performer, instrutora, pioneira e criadora do “Silent Sirens Theatre” e do “Black Heart Ballads”. Site: http://theladyfred.com/
1. Como define seu estilo de dança? Fale um pouco sobre ele. Essa sempre foi uma pergunta difícil de responder… E que eu espero nunca poder realmente definir. Meu estilo de dança é um pouco eclético e é por isso que escolhi “avant-garde “, um termo francês definido como: "Advance Guard", usado em inglês como um substantivo ou adjetivo para se referir a pessoas ou obras que são experimentais ou inovadoras, particularmente no que diz respeito à arte, cultura e política.
Isso me deixa com muito espaço para ser criativa. Junto com isso, eu uso o “teatro” na minha descrição de estilo porque é algo que eu descobri na dança em torno de 2005 e vem muito natural para mim. Eu sou uma pessoa muito expressiva e as palavras têm uma limitação para mim que os movimentos não tem.
2. Conte um pouco sobre sua caminhada na dança, como esta arte começou em sua vida? Eu tenho sido uma dançarina toda a minha vida, eu digo isso de uma maneira não convencional. Eu passaria horas dançando no meu quarto sozinha quando eu era criança; dança sempre foi uma parte da minha vida junto com a música, que sempre foi uma paixão para mim desde que me lembro. O único treino “oficial” que tive em minha juventude foi de 3 anos na patinação artística (9 – 12 anos). Houve um pouco de ballet incluído nisso porque eu também estava em uma equipe de patinação artística e todos nós tínhamos de fazer saltos, etc, mas nada formal.
3. Quais são suas principais inspirações? A maior inspiração para dançar é a música que eu descobri nos últimos 10 anos, e é provavelmente a maior de todas as minhas paixões artísticas. Eu aprendi sozinha a tocar piano quando eu era uma garotinha, eu cantei em corais por 8 anos, mas a parte rítmica é a minha favorita.
Eu toquei bateria (kit de bateria com 5 peças) por alguns anos, principalmente punk rock, mas eu estava em formação de jazz clássico, quando eu tinha cerca de 19 anos, e também é por esse motivo que eu fui inspirada por coisas antigas. Mesmo que o vinil esteja obsoleto agora eu ainda tenho meus discos de jazz antigo, death rock e punk, alguns dos quais você não pode nem mesmo encontrar para download.
4. Quando sente que precisa de novas ideias, onde busca novas inspirações? Isso pode ser estranho, mas nunca me sinto como se eu precisa de idéias novas, eu nunca nem pensei nisso. Inspirações me cercam … Cada coisa que eu vejo, cheiro, toco ou escuto me inspira, eu sinto que não posso reter a abundância de idéias que vêm à minha cabeça de tudo isso! Isso não significa que todas as minhas idéias são boas também, isso só significa que eu tenho sempre uma fonte de reserva para puxar se eu estou possuída pela necessidade de criar algo apenas olhando ao redor.
Em geral, porém, eu costumo olhar para fora da dança do ventre, não por inspiração, ou seja, eu utilizo as coisas que eu realmente desfruto da minha vida fora da dança do ventre para influenciar a minha criatividade na dança do ventre. Isso mantém o meu estilo mais autêntico e fresco também.
5. Sua dança é reconhecida pela originalidade do estilo e dos movimentos que foram criados por você mesma. Conte-nos sobre as dificuldades que enfrentou ao desenvolver seu próprio estilo e suas alegrias com as conquistas. Tão longe a estilização da dança vai, estranhamente, isso é algo que me veio como uma surpresa.. Eu definitivamente pensei muito sobre apresentação e técnica, mas nunca em dançar um estilo em particular. Há uma linha tênue entre os dois e eu os definiria assim:

- Estilo de dança: Como você se move, sua composição, fluidez, etc

- Apresentação de Dança: Seu figurino, música, seu gênero, etc
Eu nem sequer pensei no meu “estilo de dança” pessoal até que eu comecei a ouvir de outros como eles me percebiam por cerca de 6 anos em minha carreira em que todos disseram as mesmas coisas. Até hoje eu posso falar o que as pessoas dizem sobre mim, mas eu pessoalmente tenho dificuldade em ver isso tudo.
Às vezes eu tenho um vislumbre, mas meu instinto me diz que é melhor deixar acontecer sem a minha interferência, por medo de destruir sua inocência e essa qualidade de “anjo da guarda” que tem para mim. Estou muito orgulhosa das minhas realizações apesar de ainda haver muito mais trabalho e prática a serem feitos.
6. Você é responsável pela introdução de novos estilos musicais no tribal (dnb / dubstep / música clássica / trilhas sonoras). Fale um pouco sobre o risco de sair dos padrões e a importância de agregar novos elementos para o mundo da dança.
• O risco é a sua estabilidade psicológica. Há uma grande ansiedade envolvida em apresentar algo novo para as pessoas. Eu não estou falando sobre a ansiedade normal que você sente antes de entrar no palco, eu estou falando sobre ter ansiedade sobre o que vai defini-la depois de entrar no palco.
No início, quando eu estava em trupes e oferecia idéias inovadoras, isso era recebido pelo público como uma entidade apresentando a idéia, não uma pessoa específica, então eu podia, de alguma forma, me esconder por trás do véu da minha trupe, o que foi uma grande maneira de começar, como eu tive a oportunidade de ver a reação do público e o que eles tinham a dizer sem que isso caísse apenas sobre os meus ombros. Mas quando eu comecei a solar, eu sabia que tudo o que eu apresentasse refletiria somente sobre mim, o que foi aterrorizante, especialmente porque eu sabia que eu estava estreando algo novo, e eu não tinha onde me esconder.
Mas com o tempo cheguei a um acordo com a verdade: alguns vão gostar, outros não … Espero que mais pessoas gostem do que não gostem, mas eu TENHO que fazer isso porque, em última análise, isso é mais importante do que o medo das pessoas não gostarem do que eu produzo.
• Existem diferentes escolas de pensamento e prática na sociedade e eu respeito todas elas, neste caso: inovação versus tradição. Eu sou uma criadora, mas eu não derrubo a tradição, assim como tenho muito respeito por ela e acho que ela é muito importante para a história humana e da vida em si uma vez que simboliza segurança, estabilidade, validade, longevidade, identificação e, finalmente, algo para ter orgulho de ser parte. Porém, existem pessoas por aí que não gostam de outras mudando a tradição, mas eu olho para isso como ‘adicionar’ algo a tradição, não apagá-la. Eu acho que é importante lembrar que o que agora é tradição, uma vez foi uma idéia. Há aqueles que estão determinados a seguir exatamente os passos do respeito em homenagem àqueles que criaram a tradição, o que promove a sua longevidade. Esta união é linda.
8. Depois que a dança entrou em sua vida, o que mudou na Frédérique fora dos palcos? A minha confiança e auto-estima têm florescido desde que decidi dedicar minha vida à dança e expressão criativa. Eu também encontrei um outro lado de mim … Um lado feminino. Eu sou um ‘tom-boy ” no coração, mas um que pode usar vestidos e batom agora!
9. Quais foram os professores que mais marcaram sua trajetória e porque? Eu só tive duas professoras de dança do ventre na minha carreira. Luna foi a minha primeira e eu fiquei com ela por cerca de 5 meses. Então eu vi Jill Parker e fui fisgada. Ela foi a única influência verdadeira na minha dança, assim, assistí-la e treinar com ela de 1997 a 1999 sem intervalo, me ensinaram algo que você não pode facilmente aprender: fluidez e graciosidade.
10. Você nasceu em Beirute, no Líbano e possui ascendência síria, armênia, italiana e francesa. Como essa mistura de culturas influencia em sua dança? Para ser honesto, eu não acho que influencia, mas isso não significa que eu estou certa. Eu muitas vezes ouvi do velho povo do oriente médio “Está no seu sangue, é por isso que você é boa no que faz.” Mas eu realmente não sei!
11. Por alguns anos, você estudou o estilo ATS®(AmericanTribalStyle®) com Luna e Jill Parker, no que este estudo influenciou e influência hoje em sua dança? Como eu mencionei antes, a fluidez e a graciosidade foram e ainda são as maiores influências na minha dança que eu tirei a partir dos dois anos que estudei ATS com Jill Parker.
12. Na sua opinião, qual é a importância que o estilo ATS®(AmericanTribalStyle®) tem para o Tribal Fusion? Eu acho que é muito importante. Falei sobre a tradição acima, este é um exemplo perfeito, exceto que o Tribal veio antes do ATS. Não importa o que veio primeiro, é importante respeitar e honrar suas raízes. Se você vai se chamar de bailarina de Tribal Fusion … Você deveria ter estudado extensivamente o Tribal ou o ATS.
13. Você foi convidada para participar do Festival Campo das Tribos que é o maior evento de tribal realizado anualmente na capital de São Paulo para ministrar workshops e dançar no show principal. Conte-nos como se sentiu ao receber um convite para trabalhar no Brasil e ao saber que seu trabalho é reconhecido em nosso país. É uma grande honra ser reconhecido e convidado para um país tão bonito. Eu mal posso esperar até sair do avião e cheirar o ar estranho, me inspirar para instruir e me apresentar em São Paulo, Brasil!
14. Você é uma das pioneiras no Tribal Fusion. Como é para você ver que este estilo hoje é reconhecido e praticado mundialmente? Imaginou que tomaria esta proporção? Devo admitir que eu não tinha idéia que iria crescer a tais proporções épicas … Tem sido uma coisa incrível. Eu não posso dizer como é bom visitar um país a milhares de quilômetros de distância de onde eu moro e assistir outras bailarinas dançando dubstep, mixando seus sets, ou usando teatro em suas apresentações apenas para saber que se essa bailarina viu ou ouviu de algum outro lugar ou de alguém primeiro, eu sou a fonte original. É uma experiência poderosa e válida.
15. Se pudesse mudar alguma coisa no mundo da dança tribal, o que mudaria? Eu gostaria de ver a dança do ventre em geral ser mais respeitada como uma forma de arte aos olhos do público e que mantivesse os mesmos padrões que as outras danças profissionais mantém, como: Ballet, Jazz ou Dança Moderna. Esperemos que isso virá quando a maioria dos bailarinos elevar o nível de profissionalismo e dedicação à técnica da dança.
16. Deixe um recado aos leitores da revista Shimmie como motivação para continuar a dançar. Seja pelo que for que você esteja apaixonado em sua vida, nunca lhe negue sua total atenção e sempre recuse qualquer medo proveniente disso.