quinta-feira, 7 de agosto de 2014

ENTREVISTA - LUY ROMERO

A Dança, por Luy Romero
Entrevista para o Blog A Dança Uma Arte em Movimento  de Farid Hassan
A Dança: Luy,nos conte como foi seu primeiro contato com a Dança. Luy RomeroDevo admitir que foi um grande acidente, tirando pequenos contatos que tinha em casa como tentar imitar artistas de Tv, possuía  pré-disposição quando criança, na escola sempre tinha a iniciativa em reunir os colegas (sim, haviam meninos também, eu era bem persuasivo rsrs…) para realizar trabalhos escolares que envolviam arte, fatalmente com o passar dos anos, a própria escola já me indicava a promover apresentações em eventos da mesma junto com colegas que me apoiavam e me tinham como “líder”… era um sucesso nas feiras culturais! Porem, vindo de uma família de poder aquisitivo baixo, não era encorajado a seguir este dom que já sabia possuir, Pai falecido e Mãe com saúde frágil  dificultaram muito minha precoce formação, mas quando completei 15 anos de idade, pedi a minha mãe para dançar, seu conceito com relação a masculinidade me direcionou a fazer Dança de Salão, pois se tratando de uma dança social e realizada em casal, me ajudaria a desenvolver uma auto estima e interação, em vista que sempre fui muito tímido. Em um ano sequente, perdi também minha mãe, órfão, sem direcionamento, a dança me proporcionou o suporte que precisava para não desabar e nem desistir da dança, algo que descobri naquele ano ser o que queria como futuro. Nesta época, mesmo com apenas 16 anos de idade, sozinho e trabalhando meio período, dediquei 100% meu tempo livre a estudar Dança de Salão na escola que abriu as portas para fazer aulas de graça em troca de auxiliar os alunos as aulas. Sendo assim, comecei a estagiar como bolsista na escola Dançart – Espaço Integrado em SBC/SP começando um treinamento paralelo para professor. Possuía uma carga horária interessante que hoje em dia me surpreendo em perceber que era puxada. Chegava a escola as 14h, treinava com outros monitores, ganhava um intervalo de 30 minutos e voltávamos as aulas com alunos da escola as 18h que só terminava as 22h, após isso, ainda participava de uma aula de treinamento profissional com os professores e assim completava meu treino diário com 9 horas p/ dia, 7 dias semanais. Foi após quase 2 anos nesta rotina, que ganhei minha 1ª turma de alunos iniciantes, supervisionado pelo meu próprio professor, que satisfeito com o resultado, me jogou profissionalmente ao mercado da dança, indicando outros locais onde poderia desbravar novos horizontes. No ano de 2005, fui convidado a compor o quadro de professores da escola Shiva Nataraj em SP onde a partir dali, conheci um mundo novo e encantador aos meus olhos, que até então, não tinha contato com as danças orientais. Conheci o coreógrafo e bailarino Ally Hauff (I.M.) que era profissional em DOC (Dança Oriental Contemporânea), Dança Indiana, Jazz, Flamenco e Danças Árabes, que me acolheu como pupilo e me iniciou com estudos intensivos teóricos e práticos, em 2006 me convidou a participar de seus trabalhos profissionais com o Grupo Ganesha de Dança Indiana Contemporânea, criado por Ally, grupo atuante no mercado desde 1996, renomado e autêntico em seus trabalhos e pioneiro no Brasil e Grupo Áthala de Neo Tribal, projeto também realizado por Ally Hauff grande destaque em 2006 e em todos os anos subsequentes. Recebia grande embasamento técnico com outros profissionais do nosso convivo e esta bagagem veio aumentando conforme ia ganhando espaço e destaque no munda da dança oriental.


ENTREVISTA COMPLETA AQUI: